quinta-feira, fevereiro 16, 2017

A vez da cleptocracia


O desejo de alcançar um governo democrático vem da Grécia Antiga, quando Heródoto teorizou um Estado com um governo eficiente e honesto. Ao longo da história, surgiram vários teóricos que também idealizavam lugares onde tudo funcionasse em perfeita ordem e harmoniza, sem problemas sociais ou políticos. De tão improvável ou impossível, tudo isso foi chamado de utopia.

No Brasil do impeachment, cheguei a imaginar que esse atual grupo que se apossou do poder estava instalando a plutocracia (do grego ploutos: riqueza; kratos: poder). Nesse sistema político, o poder é exercido pelo grupo mais rico, cuja concentração fica nas mãos da elite econômica mediante uma profunda desigualdade de renda e baixo grau de mobilidade social (Wikipédia).

Estava tudo se desenhando para isso até os abutres mostrarem suas verdadeiras intenções a partir do plano de enterrar a Operação Lava Jato,  ação esta que vinha sendo traçada antes mesmo do processo de impeachment, conluio este que contou inclusive com aval do Judiciário.

Os que foram para rua apoiar o impeachment acabaram sendo usados na grande manobra, que é instalar uma cleptocracia no Brasil. Nesse sistema, o Estado é transformado em uma máquina de ganhar dinheiro por meios ilegais. Ou seja, forma-se um grupo que usa a máquina administrativa para enriquecimento próprio. Traduzindo: a cleptocracia é o Estado governado por ladrões.

O presidente Temer foi bem claro ao definir seu ministério mantendo todos os citados na Operação Java Jato, que investiga o maior esquema de corrupção de todos os tempos. Ainda que denunciados judicialmente, tais ministros serão apenas afastados, mas recebendo os salários e com foro privilegiado.

E tudo isso acontecendo com a benevolência daqueles que se manifestaram a favor do impeachment. Não custa lembrar que a cleptocracia é caracterizada também pela ausência da manifestação da sociedade. Essa apatia popular permite que os políticos se apropriem do poder público em todos os níveis com a finalidade de manter o poder econômico. E tudo se completa com a estrutura governamental comandada pela corrupção política.

Ficou muito óbvio que os cleptocratas se apossaram do poder, blindando os corruptos, privilegiando os que sempre se locupletaram do bem público, agindo para impedir as investigações sobre corrupção e entregando o patrimônio dos brasileiros ao capital privado como forma de enriquecerem ainda mais de forma criminosa. É o governo da cleptocracia.

P.S.: Artigo publicado originalmente na Folha de Boa Vista

jesseroraima@hotmail.com

Pedaladas e circo

Jessé Souza* Definitivamente, não dá mais para entender o Brasil depois das últimas decisões políticas e judiciais. A cassação da pre...